No dia 11 de setembro se comemorou o Dia do Cerrado, mas o que há para ser celebrado sendo que este Bioma está ameaçado?

 

Por Tairi T. Gomes – Biólogo, economista com especialização em Gestão da Sustentabilidade e CEO da Pró-Ambiente Campinas.

 

Inúmeras espécies de plantas e animais correm o risco de extinção. Estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas não ocorram mais em áreas protegidas, sendo que, pelo menos 137 espécies de animais que ocorrem no Cerrado estão ameaçadas de extinção. Depois da Mata Atlântica, o Cerrado é o bioma brasileiro que mais sofreu alterações com a ocupação humana.

 

Pesquisas mostram que até 2050, se nada for feito, 34% do que ainda existe do cerrado brasileiro pode desaparecer. Se o índice de desmatamento do cerrado brasileiro se mantiver como é hoje – cerca de 2,5 maior do que na Amazônia -, o mundo pode registrar a maior perda de espécies vegetais da história. A tese é de um artigo de pesquisadores do Instituto Internacional para a Sustentabilidade (IIS) e de outras instituições nacionais e internacionais, divulgado em 2020, na revista científica Nature Ecology and Evolution.

 

O Cerrado é um bioma brasileiro caracterizado por savana, mas também por floresta (cerradão) e campo. Do ponto de vista da diversidade biológica, o Cerrado brasileiro é riquíssimo, reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade, abrigando 11.627 espécies de plantas nativas já catalogadas.

 

Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul e, também, o segundo maior do Brasil, ocupando cerca de 22% do território nacional.

 

Sua área incide principalmente sobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal.

 

Nesse espaço territorial encontram-se as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que resulta em um elevado potencial aquífero. Segundo o monitoramento anual, realizado pelo sistema Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre agosto de 2019 e julho de 2020, a destruição do cerrado foi de cerca de 7,3 mil km², um aumento de 12,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

O homem ocupa o Cerrado há mais de 11 mil anos. Os povos tradicionais do Cerrado são constituídos por uma variedade considerável de grupos com diferentes culturas. Porém, com a crescente pressão para a abertura de novas áreas, visando incrementar a produção de carne e grãos para exportação, tem havido um progressivo esgotamento dos recursos naturais da região.

 

É urgente proteger e preservar esse bioma!

 

A Pró-Ambiente desenvolve hoje o Plano de Manejo da Mata Atlântica e Cerrado para o município de Jundiaí-SP. Com um conhecimento técnico acumulado em seus 20 anos de existência, a Pró-Ambiente tem muito a contribuir para essa preservação.

 

Acompanhe o desenvolvimento desse trabalho em nossas redes sociais e no site.