Com o calor do verão, aumenta a incidência de animais silvestres nas áreas urbanas. Uma das causas desse aumento é devido a muitas espécies reproduzirem na primavera.

Gambas, corujas, micos, ouriços e até cobras vão em busca de alimentos ou abrigo e podem gerar grandes sustos.

 

Mas o que fazer se você encontrar um animal silvestre na sua casa?

•  A primeira orientação é que a captura não deve ser realizada por alguém que não tenha o preparo adequado visto que o animal pode reagir de forma agressiva.

•  Não é aconselhável dar nenhum tipo de alimento e água que podem ser prejudiciais e, ao invés de o animal ir embora, ele pode ficar dependente esperando por mais alimento.

•  Se ele não estiver machucado e nem oferecer risco para si mesmo e para os moradores, a orientação é aguardar o animal se sentir seguro e sair por conta própria.

•  Prenda temporariamente cães e afaste as crianças para o bicho não se sentir acuado.

 

Se você presenciar algum animal em situação de risco, animal de grande porte, ou que seja uma ameaça para os moradores, o aconselhável é ligar para o Ibama, ou centro de Controle de Zoonoses de sua cidade ou contatar a Polícia Militar Ambiental pelo 190.

“Como fomos nós, os humanos, que invadimos o território dos bichos, muitos deles, como micos, gambás e corujas, se adaptaram ao meio urbano que criamos. Se nos chamarem apenas para retirar o animal, não atendemos, pois, eles estão em seu habitat. O Ibama atende apenas os que estão em situação de risco”, explica Cecília Barreto Veterinária do Ibama.

A Pró-ambiente prioriza o bem-estar animal em todos os seus estudos de fauna com o intuito de levantar o número de espécies de animais que vivem na região estudada e se a atividade que será exercida causará algum impacto direto nos animais que vivem ali.