Por que os estudos de fauna e flora devem ser feitos por técnicos capacitados?
Os especialistas afirmam que Laudos bem feitos, fundamentados tecnicamente, auxiliam no menor tempo de aprovação nos órgãos ambientais, bem como, mitigam o risco de inconformidades.

 

Os estudos de vegetação e de fauna fazem parte dos processos de licenciamento ambiental de empreendimentos, assim, devem ser realizados, segundo o disposto em uma legislação nacional, estadual e municipal, apoiados em fundamentos amparados às exigências da lei. A proteção para a vegetação é dada pelo código florestal, desde 1965; e para a fauna pelo código de proteção à fauna, de 1967.

 

“Qualquer empreendimento que de alguma forma tenha intervenção em áreas florestadas necessita passar por licenciamento ambiental”, explica Maria de Fátima Tonon, bióloga e sócia-diretora da Consultoria Ambiental, Pró Ambiente Campinas.

 

Para o processo de licenciamento ambiental é necessário a apresentação de laudos técnicos que caracterizem a vegetação e a fauna presente na área de apontamento. “Porém, esses laudos devem ser feitos por profissionais capacitados, como biólogos, por exemplo. Uma vez que, se referem à estudos altamente técnicos, torna-se necessário uma ampla experiência desses profissionais, o que facilita, significativamente, a   sua aprovação durante o processo de licenciamento”, fundamenta Maria de Fátima Tonon, bióloga com mais de trinta anos de experiência na área ambiental.

 

A Pró ambiente Campinas tem 20 anos de experiência na área, com atendimento em 194 municípios do estado de São Paulo, em 12 estados do Brasil, contemplando em sua carteira mais de 1.200 estudos aprovados nos órgãos ambientais.

 

“A empresa surgiu com o intuito de desenvolver projetos ambientais com sustentabilidade, trazendo amplo conhecimento técnico aos nossos clientes, por meio de ferramentas que auxiliam à execução plena dos mais diversos projetos na área”, descreve o Sócio-diretor e biólogo Tairi Gomes.

 

A equipe da Pró Ambiente Campinas é formada por biólogos com larga experiência na área florestal, com conhecimento nos vários tipos de vegetação no Brasil, como mata atlântica, cerrado, caatinga e mata amazônica, bem como sua fauna associada.