Lançamos um desafio: Como você entende a sustentabilidade através da demanda de mercado?

Por Tairi T. Gomes, Biólogo e economista, especialista em gestão da sustentabilidade

Vamos lhe explicar porque atualmente essa é uma demanda de mercado, passando a ser muito mais do que tendência. Essa pandemia está fazendo a humanidade refletir sobre quais são os rumos que o planeta está tomando, e, consequentemente, a permanência de sua existência. Muito se fala nesse “novo normal” que está chegando quando, finalmente superarmos essa emergência sanitária.

E como toda crise, com certeza se abrirão oportunidades, que aqui devem ser vistas como possibilidades de mudança, um caminho para que a humanidade dê um grande salto. E aqueles que estiverem preparados vão ultrapassar os limites hoje impostos a esse desenvolvimento.

O mundo todo fala sobre essa mudança. A sustentabilidade é uma tendência e mais que isso, se faz nesse momento como demanda de mercado, seja no âmbito pessoal, no qual os indivíduos estão mais conscientes da sua responsabilidade na preservação planetária, seja no mundo dos negócios, principalmente imposta pelo aumento da consciência dos consumidores.

Embora a palavra sustentabilidade esteja na moda, o conceito já vem sendo discutido há muito tempo. Desde 1983, em resposta a uma decisão da ONU, foi estabelecida a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida pela então primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland.

Dessa comissão surgiu, em 1987, um documento intitulado “Nosso futuro comum”, onde pela primeira vez se falou em “desenvolvimento sustentável”, definido então como “o desenvolvimento que satisfaz às necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras para o seu respectivo suprimento”. 

Isso tudo aconteceu há 38 anos!  E nesse tempo todo, a humanidade tentou efetivamente? Essa pergunta leva necessariamente a uma outra: quais foram as ações para essa conquista? Muita coisa se fez: mudanças de processos para preservar a camada de ozônio, reciclagem de materiais, controle mais rígidos de processos poluentes e processos de educação ambiental, principalmente de crianças e jovens, estes sem dúvida mudaram comportamentos. Mas, com certeza, ainda estamos devendo muito, ainda é gigantesco o caminho a trilhar para chegar lá.

 

A pergunta que se faz é: como colaboramos para tornar o mundo sustentável?

A resposta deve ser sempre no coletivo. Não existe “ser sustentável” fora do coletivo. É como estarmos em um barco com vários furos, uns pequenos e outros maiores. Neste caso optamos por tampar apenas alguns buracos, só os grandes, e deixamos de lado todos os pequenos furos. A consequência se faz preponderante: o barco vai afundar. Assim, teremos que tampar TODOS os buracos. E será um trabalho hercúleo.

 

Então, você e seu negócio, seja do tamanho que for, estão preparados para esse Novo Mundo?